1. Permissão internacional para dirigir
  2.  / 
  3. Blog
  4.  / 
  5. Explorando as alturas da história: dirigíveis Zeppelin e seus companheiros notáveis
Explorando as alturas da história: dirigíveis Zeppelin e seus companheiros notáveis

Explorando as alturas da história: dirigíveis Zeppelin e seus companheiros notáveis

Situado ao longo das belas margens do Lago Constança em Friedrichshafen, Alemanha, o Museu Zeppelin não apenas narra a evolução dos dirigíveis, mas também abriga uma impressionante coleção de automóveis antigos.

Meu fascínio pela aviação do início do século XX foi modesto, extraído principalmente de ilustrações da revista “Technology—Youth” e de contos do piloto aventureiro Utochkin. No entanto, foram as memórias do projetista de aeronaves Yakovlev, repletas de histórias de aeronaves da Primeira Guerra Mundial, que despertaram minha imaginação juvenil. No entanto, os dirigíveis permaneceram um mistério, suas histórias não foram contadas até minha visita a este museu.

Dedicado inteiramente ao legado dos dirigíveis, o museu celebra o conde Ferdinand von Zeppelin, o pioneiro que em 1900 lançou seu primeiro dirigível, o LZ1, marcando o início da era Zeppelin. Depois que um incêndio devastador destruiu seu quarto dirigível em 1908, o apoio público permitiu que o conde estabelecesse a Luftschiffbau Zeppelin, uma empresa que prospera até hoje.


Um pôster da época da Primeira Guerra Mundial com silhuetas de aeronaves. O longo “charuto” no canto superior esquerdo é um Zeppelin.

Os empreendimentos do Count Zeppelin foram apoiados por colaboradores notáveis: Karl Maybach na fabricação de motores, Claude Dornier no desenvolvimento de aeronaves e Zahnradfabrik Friedrichshafen, agora conhecida como o renomado Grupo ZF.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a visão de um zepelim muitas vezes significava a morte iminente. O museu apresenta um pôster londrino da época da guerra, um lembrete assustador do medo que eles inspiraram, completo com silhuetas de aeronaves alemãs e britânicas e avisos sobre munições não detonadas.

O poeta Maximilian Voloshin capturou a presença sinistra desses dirigíveis em seu poema de 1915 “Zepelins sobre Paris”, retratando-os como figuras fantasmagóricas no céu noturno.


O Hindenburg em construção – que escala!

Fazendo a transição de instrumentos de guerra para maravilhas civis, os zepelins evoluíram para protótipos de aviões modernos, atravessando os céus e conectando continentes. O famoso LZ127, conhecido como “Graf Zeppelin”, foi particularmente notável, com 590 voos internacionais, incluindo 143 travessias transatlânticas.


Uma seção transversal do Hindenburg: você pode ver as nervuras do quadro, seu revestimento e os tanques de combustível e água. Também havia 16 tanques de gás dentro do quadro, mas eles não são mostrados.
Uma seção do quadro: estrutura de duralumínio com rebites e revestimento.

Em 1930, “Graf Zeppelin” agraciou Moscou com uma visita amigável, um evento marcado apenas pelas tensões da época, que viram o dirigível ser atacado ao cruzar a fronteira soviética. Esse incidente não deteve os alemães, que aproveitaram a oportunidade para realizar fotografias aéreas sobre Moscou e, posteriormente, uma missão de reconhecimento sobre o Ártico soviético.

O auge da grandeza do Zeppelin foi personificado pelo LZ129 Hindenburg, o maior dirigível já construído. A exposição principal do museu apresenta uma seção de réplica do Hindenburg, completa com sua estrutura e interiores originais de duralumínio, uma prova de sua presença formidável.


Uma seção do quadro: estrutura de duralumínio com rebites e revestimento.
O salão do Hindenburg e um corredor com janelas através das quais os passageiros viam o chão.
Sala de leitura.

Construído ao longo de cinco anos, Hindenburg superou até mesmo o Titanic em escala e ambição. Movido por quatro motores a diesel Daimler-Benz e capaz de transportar 90.000 litros de combustível, era um leviatã flutuante, cheio de 200.000 metros cúbicos de hidrogênio.

O Hindenburg ofereceu acomodações luxuosas para seus passageiros, que pareciam não se deixar abater pelos perigos potenciais de voar em um gigante cheio de hidrogênio. Apresentava 50 camas para dormir, expandindo-se para 75 em 1937, e uma tripulação de 50 a 60 pessoas, refletindo o serviço de um transatlântico.


Louças a bordo do dirigível…
E o cardápio.

A opulência a bordo do Hindenburg se estendeu às suas comodidades, que incluíam uma cozinha, amplo refeitório, lounge, bar e até mesmo um piano com corpo de alumínio. O museu guarda lembranças desses voos, incluindo menus e cartões postais em preto e branco que retratam a vida a bordo do dirigível.


O desastre de Hindenburg em 6 de maio de 1937.

Tragicamente, a história do Hindenburg terminou em 6 de maio de 1937, quando começou quando atracava perto de Nova York. Dos 97 a bordo, 62 sobreviveram, marcando um fim comovente para a era dos dirigíveis de passageiros. Os restos desse desastre, incluindo uma moldura carbonizada e um relógio parado envolto em alumínio derretido, servem como relíquias sombrias de uma época passada.


O relógio de Hindenburg em um invólucro derretido.

Hoje, o legado dos zepelins perdura, não apenas nas histórias preservadas no museu, mas também em sua influência na aviação moderna e na produção contínua de aeronaves. Uma visita a este museu oferece uma visão profunda do espírito ambicioso da inovação do início do século XX e da marca indelével que ela deixou na história.

À medida que nos aventuramos mais profundamente no Museu Zeppelin em Friedrichshafen, sob a fuselagem do grande modelo Hindenburg, está uma homenagem não apenas aos céus, mas também à engenharia automotiva. Aqui está o majestoso sedã Maybach DS8 Zeppelin de 1938, um veículo terrestre com um espírito semelhante ao de seus homônimos aéreos. Alimentado por um robusto motor V12 de 200 cavalos, esse sedã de luxo podia atingir velocidades de 170 km/h e tinha um grande apetite por combustível, consumindo 28 litros por 100 km. Sua transmissão foi uma maravilha de sua época: um Maybach Variorex de oito marchas com pré-seleção de marchas, um sistema tão avançado que foi usado até mesmo em tanques alemães!


O mais luxuoso dos Maybachs pré-guerra – o DS8 Zeppelin (1938).

Pesando quase 3,5 toneladas, o DS8 Zeppelin exigia um motorista com uma licença de veículo pesado, uma prova de sua construção substancial. Com um preço de 30.000 Reichsmarks, este veículo custou até duas dúzias de sedãs Opel P4 contemporâneos.


O chassi do carro de passeio Maybach SW38 (1937). Ambas as suspensões — dianteiras…
… e traseira — são projetadas com molas e molas transversais.

No entanto, o Museu Zeppelin guarda outra maravilha automotiva, ainda mais curiosa do que a primeira: o Gaylord Gladiator de 1957, dos Estados Unidos, exibido em duas versões: uma completa e outra esquelética. Mas o que esse carro americano tem a ver com os dirigíveis alemães?


Este Gladiador Gaylord, de acordo com as placas de fábrica, é a segunda unidade e foi construído em outubro de 1957.

Essa história começa na América do pós-guerra com um empresário rico chamado Gaylord, que fez fortuna com acessórios de cabelo femininos. Seus filhos, James e Edward, herdaram a paixão e a riqueza do pai, e seus sonhos não eram grampos de cabelo, mas criar um carro espetacular. Eles perseguiram esse sonho sem restrições.


O pai dos criadores do carro fez fortuna com grampos de cabelo femininos.

A busca por um designer os levou a Alex Tremulis, famoso por Tucker, conhecido por seu trabalho no exótico Tucker Torpedo de três faróis. No entanto, após uma série de mudanças na empresa, Tremulis passou o projeto para o designer freelancer Brooks Stevens, que tinha vínculos com a Harley-Davidson e a Studebaker.


O primeiro modelo tinha “olhos de coruja” — dois faróis grandes de Lucas.

O resumo do design era combinar modernidade com elegância clássica, e o modelo inicial apresentava impressionantes “olhos de coruja” — dois grandes faróis Lucas que lembram carros anteriores à Segunda Guerra Mundial. Esse recurso, no entanto, foi posteriormente substituído por quatro faróis menores para uma aparência mais refinada.


O corpo de um dos Gladiadores nos escorregões na fábrica do Zeppelin.

Construído a partir de uma estrutura espacial tubular revestida de cromo e molibdênio, o Gaylord Gladiator era impressionantemente leve para a época, pesando 1800 kg. Ele apresentava uma configuração de suspensão tradicional, mas com ajustes modernos, como buchas de borracha ampliadas e molas traseiras lubrificadas.


O motor Cadillac V8 (5,98 litros, 309 cv) poderia impulsionar o carro a 200 km/h.

Sob o capô, os modelos iniciais ostentavam um Chrysler V8 de 5,4 litros, posteriormente substituído por um Cadillac V8 de 5,9 litros mais silencioso, impulsionando o Gladiator a 200 km/h e permitindo que ele corra de 0 a 100 km/h em apenas oito segundos, ultrapassando o Cadillac Eldorado.


O interior apresenta madeira e bitolas redondas.

O carro apresentava uma transmissão automática GM Hydra-Matic e direção hidráulica ativada com o apertar de um botão. Outro botão permitia que o teto se retraísse, operado por um único motor elétrico — um contraste gritante com o Ford Skyliner, que usava sete motores para a mesma função.


Duas letras “G” no cubo do volante.
A agulha do tacômetro é projetada como uma espada, símbolo da marca.

Estreando com sucesso no Salão do Automóvel de Paris de 1955, o Gladiador foi um sucesso e a produção de 25 unidades foi planejada. Curiosamente, a fabricação foi confiada à Luftschiffbau Zeppelin — a fabricante de aeronaves!


O teto se retraiu no porta-malas de abertura com o apertar de um botão.

No entanto, a transição de dirigíveis para carros se mostrou desafiadora, e problemas de qualidade levaram a uma ação judicial, interrompendo a produção. Com um preço inicial de dez mil dólares, o custo do Gladiador acabou subindo para 17,5 mil dólares. Hoje, isso equivaleria a cerca de 200 mil dólares.


Vista traseira: metal nervurado e aletas.

Apenas três ou quatro gladiadores foram construídos. Um reside no Museu Zeppelin, outro em uma coleção particular dos EUA, e há rumores de que um quarto misterioso desapareceu na Europa.

Hoje, o legado do Zeppelin vai além dos dirigíveis. A empresa agora possui a renomada marca Caterpillar de máquinas e motores de construção. Embora ainda fabricem dirigíveis, eles estão em uma escala muito menor. Um voo de duas horas sobre o Lago Constança em um desses dirigíveis modernos custa 850 euros — uma experiência premium para o aventureiro moderno.


No salão do museu – o Gaylord Gladiator, seu chassi…
… e uma empilhadeira Zeppelin, que foi produzida até 1995.

Foto: Zeppelin Company | Fedor Lapshin

Esta é uma transalção. Você pode ler um artigo original aqui: Цеппелины: дирижабли и автомобили

Please type your email in the field below and click "Subscribe"
Subscribe and get full instructions about the obtaining and using of International Driving License, as well as advice for drivers abroad